terça-feira, 12 de janeiro de 2010

bomboca

A Quitéria separa cuidadosamente o lixo, lava as embalagens e os vidros à mão e coloca-o em sacos do supermercado. Ralha aos filhos quando se descuidam e misturam o plástico com o cartão. O homem adaptou-se, finalmente, e já é quase tão exigente quanto ela. Ainda não se habituou a lavar as embalagens da manteiga e as latas do atum mas a Quitéria sabe que é uma questão de tempo. O trabalho sobre os três erres (reciclar, reduzir, reutilizar) já está pronto e arrumado na mochila do filho. A Quitéria fê-lo no computador sem precisar de copiar e colar o texto da Wikipédia como fazem os outros pais quando os filhos trazem trabalhos da escola. Veste o casaco e agarra nos quatro sacos de lixo. Desce no elevador, atravessa a rua, abre a tampa do contentor e coloca lá um dos sacos. Ao lado há um vidrão para onde atira as garrafas de vidro, uma a uma. Os contentores para cartão e para embalagens ficam na outra rua, por isso, a Quitéria olha para um lado, para o outro e deposita os dois sacos que restam no chão, muito encostadinhos à bomboca do lixo doméstico, antes de voltar a entrar no prédio, subir no elevador e dar o beijo de boas-noites nos filhos.