terça-feira, 3 de novembro de 2009

útero

Um dia o útero da minha cunhada caiu com o feto dentro dele. Ficou atravessado entre as pernas e o pânico entre os pulmões. Ela não sabia que o útero podia tentar fugir do corpo. Eu também não. Foi uma revelação – pensava saber tudo sobre as entranhas femininas – descobrir que o útero se pode cansar de nós como nós dele. Quando se cansa de nós, ou nós dele, deveria ser absorvido pelo corpo mas a natureza não o autoriza. Fica ali a cultivar fibromas, quistos, pólipos, tumores e demais maleitas, a obrigar-nos à provação que é o check-up rotineiro da ginecologista. Deite-se aí, abra as pernas, respire fundo, relaxe.

Sem comentários: