terça-feira, 3 de novembro de 2009

lágrima

Mal uma lágrima chega travo-a nas pestanas e empurro-a de volta para o saco lacrimal censurando-me a auto-comiseração. Há muito que não me dou licença de ter pena de mim, já não sei como se faz.

2 comentários:

gballand disse...

O seu texto, duma certa maneira, deu-me vontade de chorar...

cláudia disse...

conheço bem essa contenção.