quarta-feira, 3 de junho de 2009

lápis

Dia sim, dia não, o meu filho mais novo pedia-me um lápis. Tinha perdido o velho, outro rapaz ficou com ele, o lápis tinha partido, um sem fim de acidentes para justificar o pedido. Para o responsabilizar pelo seu material, disse-lhe que só teria lápis novos se trouxesse os velhos. Durante algum tempo não me pediu mais lápis, até ontem.
- Tens o lápis velho?
- Tenho.
Abriu a mão e na palma repousava este lápis.


- Ainda dá para escrever, mãe, mas já não dá para afiar.

6 comentários:

hfm disse...

Um sorriso tocante ficou a bailar. Belissimo!

blue disse...

:)
lindo, mesmo!

io disse...

ó que delícia, Maria!
Num ápice, voltei a catraia. Por manifesta necessidade, tinha uma vasta colecção de lapinhos, sobretudo de cores, de tamanhos que só mesmo os dedinhos infantis permitiam utilizar: afiá-los era o cabo dos trabalhos!

ecila disse...

Este post dá umas saudades dos tempos de crianca... que maravilha :)

snowgaze disse...

ainda dava para afiar, mas tinha que ser com uma navalhinha! ;) (tive muitos que passaram desse ponto)

Isabela Figueiredo disse...

faço colecção destes lápis