sábado, 23 de maio de 2009

bufaria


Acho inadmissível que uma mãe, ou um pai, dê aos seus filhos um gravador para registar uma aula, ainda mais quando sei, por experiência própria (como mãe), que a DREN funciona muito bem em questões de conflitos dos pais com as escolas. A DREN ouve os pais, investiga e resolve, não precisa de gravações coisa nenhuma, não precisa dos media para assegurar a resolução desses conflitos.
O que se passou naquela aula - a atitude da professora - é uma questão que não podemos simplesmente lamentar e repudiar sem tentarmos perceber as implicações da gravação. Se perdemos a capacidade de nos indignarmos com a bufaria, ainda para mais pública, não tardará muito até uma versão moderna do fascismo, propulsionado por uma tecnologia portátil e acessível a todos, se instalar. Teremos gravadores por baixo das nossas secretárias, nas nossas casas, câmaras nas salas de aulas - já acontece no Reino Unido -, nos hospitais, nas repartições públicas, nas universidades, no emprego; em todo o lado um gigantesco olho público zelando pelo nosso bom comportamento, certificando-se de que os nossos disparates não saem impunes, por todos, com mão pesada. Estaremos a permitir a criação de um sistema onde o grupo está acima do indivíduo e a vingança acima da reconciliação. Uma frase mal dita, um disparate isolado num momento de tensão, quando nem sabemos da existência desse olho e ouvido público, destruir-nos-á. Estaremos a negar ao indivíduo as suas liberdades civis, o direito de se auto corrigir, de aprender com os seus erros, assim como o direito a uma segunda oportunidade, a um recomeço.
A legitimidade moral que alguns pais atribuem à gravação é nula. Não é isto que quero para os meus filhos. Eles sofrerão muito mais numa sociedade supra vigilante, onde os informadores são estimulados e aplaudidos, do que com os traumas que uma professora supostamente lhes causará com um comportamento inadequado numa aula.

3 comentários:

Helena disse...

Viste que este tema está a continuar no Quase em Português?

Eu bem digo que este blogue é muito bom: até reanima blogues moribundos...

maria n. disse...

lol

Já vi, Helena, e já respondi ao Lutz, embora um pouco à pressa.
Espero que se perceba que não estamos a defender o encobrimento e esquecimento dos abusos.

Helena disse...

Ou seja: espero que se perceba que não concordamos com nenhum tipo de abuso - nem o dos professores, nem o de pais a ensinarem filhos a cometerem ilegalidades.