sexta-feira, 24 de abril de 2009

nome de código

«Someone should try an experiment with himself: he should forget everything he knows about the times and its relativity amplified by its familiarity, and then come into this age as if he were from another planet, and read some book, or some article in the newspaper: he will have this impression: "Something is going to happen tonight, or else something happened last night!"» - Kierkegaard, The Present Age (1846)


há coisas das quais os livros de história não falarão
conversas em ruas estrangulas cinzentas
revoluções feitas com murros no peito, na mesa
segredos prometidos no ouvido dos bastidores
a homens sombreados pelo movimento das pás
de uma ventoinha no tecto de uma casa outrora imponente.

há homens que não verão os seus retratos nos livros de história
testemunhas da mentira que outros lábios queimam na pronúncia
faróis amarelos na noite sob a chuva
o cigarro na esquina
o nome de código
o nome de código de que ainda me lembro.

há segredos roubados por meninas de rostos angélicos
que a história nunca saberá
guardam-nos nas tranças cortadas em caixas floridas
dentro de gavetões ao lado de uma colecção de borboletas.

Sem comentários: