domingo, 22 de março de 2009

buços & bigodes

Se quanto ao seu número não ponho as mãos no lume, quanto ao género tenho a certeza absoluta a qual pertencem as misses do Regabofe mas não perco o sono por causa disso. As pessoas são o que dizem que são e quantas são. Eu, por exemplo, quando me comecei a contar cheguei aos 163 e depois desisti. O que não me sai da cabeça, desde que a miss Allen falou do seu buço que não existe mas que ainda lá está, é o estilo do bigode que eu escolheria se fosse mulher de festas e tropeçasse numa do bigode. Isto de não existir mas ainda lá estar é uma ideia genial e de imediato inventei um bigode feminino de tirar e pôr, nem mais. Mas como já vai sendo hábito com todas as minhas invenções, o Google, esse extraordinário redutor de egos, lá me veio dizer, mais uma vez, que alguém teve a mesma ideia antes de mim.

2009 foi declarado o Ano do Bigode pelo Huffington Post e como a descriminação nem de velha morrerá, o artigo que ligo só fala do bigode deles. Não andaram muito atentos às passerelles (eu também não) onde desfilaram em 2008 inúmeras modelos de bigode, uma moda que, tenho a certeza, não vai pegar em Portugal. As portuguesas gostam mais de tirar do que pôr, embora, verdade seja dita, estejam a ficar sem sítios de onde tirar. Mas voltando ao estilo, que acham destes aqui? Undercover brother, hum...


2 comentários:

ecila disse...

"Google, esse extraordinário redutor de egos" ha ha ha boa ;-)
Pessoalmente e objectivamente nao gosto de homens com bigode, barba, gadelhas e peludos. Subjectivamente, whatever ;-)

Anónimo disse...

lol também gostei do google redutor de egos (e do resto do texto).