domingo, 18 de janeiro de 2009

xbox


Os jogos de vídeo oferecem-nos a possibilidade de explorar sentimentos de violência e vingança sem magoar ninguém de carne e osso. Costumava achar que isso era uma coisa dos homens, até me sentar aos comandos de uma Xbox.
Os jogos de vídeo não deveriam levantar-nos dilemas morais. Talvez estejamos geneticamente programados para destruir coisas; a guerra é inevitável e é mais fácil erguer paredes que abrir portas e tudo se resume à questão “matar ou morrer”, não é? Não é? E se assim é na vida real porque haveria de ser diferente na virtual? Não deveríamos pensar que estamos a matar toda a gente que se atravessa no nosso caminho, mas eu penso e sinto-me culpada pelos mortos que vou deixando para trás nesse mundo de faz-de-conta. Mas, enquanto me debatia com os meus dilemas morais, ali estava eu agarrada à XBox do meu amigo, somando pontos como se matar virtualmente fosse a minha segunda língua.

1 comentário:

CCF disse...

Não consigo mesmo gostar!
~CC~