quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

velas

Fui espreitar o sono dos meus filhos, do meu sobrinho, da minha sobrinha e da minha irmã. Espreitei os cães e os gatos e apanhei uma centopeia na casa de banho. As árvores continuam outonais mas menos que ontem e o gelo na erva quebra-se por baixo dos meus pés que arrefecem dentro dos chinelos de quarto. Há qualquer coisa errada em passear de madrugada no jardim do gelo em pijama e chinelos de quarto. Sonâmbula. A casa ainda dorme na quentura do seu interior.

Fui espreitar o bolo de chocolate no forno. A minha sobrinha espetou-lhe um palito mas ainda não estava pronto. A minha irmã, estendida no sofá, lia Espinosa. A ideia do bolo de chocolate foi dela mas não temos velas. Esquecemo-nos das velas.

Fui espreitar o retrato sépia da minha avó. A minha avó adivinhava o futuro. Quando me ajudou a nascer já sabia que eu era menina antes de me ver. Mas as profecias dela para mim falharam todas.

Hoje faço anos e isto pode parecer muito estranho: às vezes tenho de fazer contas de cabeça para saber quantos anos tenho. Esquecer-me das velas talvez tivesse uma razão inconsciente de ser.

(14 de Dezembro 2008)

7 comentários:

bell disse...

E para que servem as velas mesmo? Qual é a sua simbologia?

Parabéns!

Maria N. disse...

Obrigada Bell. Vi que já descobriste a simbologia :)

Joana Lopes disse...

Então parabéns, Maria...

bell disse...

De nada. Fiquei a pensar nisso. O que nos vale é a internet onde se consegue encontrar tudo.

Maria N. disse...

Obrigada Joana :)

CCF disse...

Parabéns já um bocadinho atrasados...que a tua escrita continue bela e intensa. E também a vida.
~CC~

Maria N. disse...

Obrigada pelas tuas palavras CC, tu que escreves tão bem e tens um blogue tão bonito.
Abraço!