quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Estado Civil

Deixa-me muita pena o fim do Estado Civil de Pedro Mexia. O ano começa mais pobre. 

Estas pessoas não podem simplesmente desaparecer do meu ecrã. No millieu onde vivo, isolada numa aldeia minhota que gente como o Pedro Mexia não frequenta, não tenho acesso a esta intimidade, ainda que anónima, que nos aproxima muito mais de alguém do que a leitura dispersa em jornais, revistas ou livros. Bem sei, egoísmo de leitora.

1 comentário:

pedro disse...

Assino por baixo. Já trabalhei com o Pedro Mexia sentado à minha frente, e mesmo assim não dispensava o blog.