domingo, 3 de agosto de 2008

danado para a brincadeira


Time Keeper do J.P.Andrade

Estou aqui a pensar com os botões do meu pijama no acontecimento mais marcante da semana. Um presidente, danado para a brincadeira, que pregou uma partida - ia dizer ao país mas sejamos francos, o país está a banhos e tem mais em que pensar -, uma partida, dizia eu, aos jornalistas. Fê-los esperar, esperar, esperar... e no fim não fez uma declaração de guerra, não demitiu o governo e nem tão pouco falou no que mais aflige o país real que, como toda a gente sabe, é a cor das cuecas da última aquisição do Benfica. O tal furo que iria fazer correr rios de tinta não aconteceu. O presidente falou de qualquer coisa relacionada com os monótonos e longínquos Açores, que não vendem jornais, excepto nos Açores. Fiquei com uma pena imensa do jornalismo em geral, e em particular, daquele que nos serve uma juíza xenófoba que afinal não o era, para não falar no Magalhães pc que dispensa comentários.