domingo, 31 de agosto de 2008

Barack Obama


A obamania ainda não me contagiou. Barack Obama fará alguma da sua mudança dentro dos Estados Unidos mas na política externa, que é a que nos interessa, nada deverá mudar. Tal como os americanos, os europeus também procuram um man ou woman of destiny e na falta de um dos seus, colocam os olhos confiantes no lado de lá do oceano, chegando mesmo a desculpar-lhe qualquer coisinha, como a nomeação de Biden para vice-presidente, cuja escolha evidencia a continuação do status quo. Teve de ser, dizem, se ele quer ganhar tem de escolher gente do establishment. Pois claro que tem, porque o establishment não o deixa mudar nada, incluindo as suas escolhas. O mito da mudança está a morrer. Não basta ser bonito, bom orador, inspirador e bom rapaz. É preciso que aqueles que das sombras decidem destinos queiram também mudar.

Sem comentários: