terça-feira, 6 de maio de 2008

da beleza


fotografia da Debbie tirada daqui


"Não sei o que é a puta da beleza; imagino que, por um fio, possa matar tanto como um cancro, a puta da beleza. Não sei rezar a Nossa Senhora de Fátima, a menos que ela se atrase um dia, irrompa ao mundo inteiro no dia 14, cadavérica, sem cabelo, sem mamas, sem útero, sem ovários, cheia, repleta de cancro, e que o mundo inteiro, de tanto a achar bela e vitoriosa, morra aos seus pés." - por Miss Allen do regabofe (excerto)

Adeline fez uma mastectomia no ano passado e disse-me que não voltaria a Portugal. Não queria a mutilação que lhe salvaria a vida; queria ser enterrada com as mamas todas. As mamas não são nada, só estorvam, disseram-lhe os filhos, as noras, os netos, toda a gente. E ela dizia que as mamas eram tudo.
A minha mãe com o meu bébé ao colo encostava a cara dele ao peito e dizia que tinha saudades. Acho que era esse tudo que Adeline não queria perder. As saudades bébé, a pele, a curva que prolonga o rosto.
Ninguém admira a beleza mutilada. Não acordam assim as mulheres, nem admiram assim os homens. Não se fazem poemas.
Foram-se as mamas, foi-se o cabelo mas o pior de tudo foi o Karl que também se foi. Preocupado em ajudá-la a derrotar a besta não reparou que apodrecia por dentro. A mutilação de Adeline foi ter ficado amputada do Karl.

Sem comentários: