sábado, 29 de março de 2008

tango



desprende a pele do seu sossego
e apoia-se no ombro que arrasta
apenas movendo o passo se torna ágil
leve contra a terra
tudo é feito no fundo da terra
tudo é feito no fundo dos corpos
o seu nome nos lábios que beija
murmura e quer gritar no vento
mas não é amor
não é amor







Sem comentários: